Camping Florianópolis

Camping é um local onde se estabelecem barracas ou tendas, geralmente com proximidade à natureza onde toda a infra-estrutura é levada pelos campistas, tal prática é conhecida por campismo.

O campismo é um importante setor do turismo com o lazer como sua principal finalidade. Prática itinerante com alta proximidade com a natureza, onde o indivíduo carrega seu abrigo de forma a atender a principal necessidade de um ser humano: a proteção.

Camping Florianópolis

Repleto de recursos modernos, os motorhomes são os equipamentos que mais se assemelham às moradias fixas do homem.

O campismo nasceu da exigência do homem, em questão do abrigo e da proteção contra clima, tempo e animais.

Historicamente a atividade nasceu na antiguidade, em expedições militares, onde tropas completas se amparavam em tendas de tecidos e peles animais. A prática ganhou essência educacional em 1860 ao ser instalada como processo de ensino infantil até que Baden Powel, em 1908, concebeu o escotismo (ou escoteirismo) espalhando-se pela Europa principalmente no período pós guerra mundial.



Quando os grandes centros urbanos industriais começaram a crescer, veio a necessidade de as pessoas fugirem e procurarem locais com grande contato com a natureza. O campismo torna-se essencialmente turístico e leva à criação de diversas associações.

A maior delas é a Federação Internacional de Campismo e Caravanismo (FICC) com sede na Suíça.

A região da Grande Florianópolis é repleta de lugares para quem curte um bom acampamento.

Tem locais mais família, ideal para descansar, bom para surfe, perto das baladas e em frente a praias desertas. Confira o top 5 melhores locais para Camping Florianópolis:

Camping Praia da Pinheira

Quem curte o contato com a natureza deve se sentir em casa no camping Praia da Pinheira. Lá tem patos, cutias e lagartos soltos. O local tem espaço para cerca de 200 barracas, é bem arborizado e está a poucos metros da praia. Tem chuveiro quente e duchas frias para refrescar. Tem cozinha e churrasqueira comunitárias.



É adepto do experiências mais selvagens e curte boas ondas A Praia de Naufragados, no Extremo Sul da Ilha de Santa Catarina, é uma boa dica. Como o local não tem área de camping e pouca infraestrutura, o aventureiro deve ir bem equipado.

A trilha começa no ponto final de Caieira da Barra do Sul, à esquerda, e dura em média 50 min (3 Km). No caminho é possível se refrescar nas cachoeiras e fotografar as ruínas de antigas construções coloniais. O trajeto é leve e bem marcado.

Além do mar bom para surfe, a praia está em uma área de preservação do Parque Estadual do Tabuleiro. O nome do local deve-se ao naufrágio de duas embarcações açorianas no século XVIII. Para curtir outro visual alugue um barco para voltar.

Parque do Rio Vermelho

Quer acordar com o barulho das ondas e descansar na sombra? O Campo Escoteiro, no Parque Estadual do Rio Vermelho, fica em frente a praia do Moçambique, uma das mais intocadas e a mais extensa da Ilha, e é bem arborizado. O local é mantido pelo Movimento Escoteiro de Santa Catarina e é aberto ao público.

Não precisa ser bicho do mato para curtir o local. Lá tem chuveiros com água quente, churrasqueiras coletivas e pontos de eletricidade. É ideal para famílias e casais que querem um pouco de sossego. Violão e conversa só em volume baixo depois das 22h. Não é permitido fazer fogueira no local. Tem capacidade para 200 pessoas.

Camping Guarda do Embaú

A Guarda do Embaú é o destino ideal para quem curte surfar e pegar um sol, mas não dispensa um passeio noturno no centrinho da Vila ou em Garopaba, que fica pertinho dali. Já fez parte do ranking das 10 melhores praias do mundo para o surf, tem charmosas pousadas rústicas e uma bela vegetação nativa. Como é proibido acampar em área de preservação ambiental ou ocupação controlada, opte por um dos três campings do local.

Lagoinha do Leste

Apesar das subidas e descidas íngremes, não precisa ser nenhum alpinista para chegar a Lagoinha do Leste. A mochila deve ir bem recheada, por que o local não tem área de camping delimitada.

Uma dica é ir pela Praia do Matadeiro, pelo costão direito, e voltar pelo Pântano do Sul, que é mais leve. Depois de meia hora de caminhada cansativa, alguns pontos em mata fechada, aproveite para descansar no córrego que corta a trilha e tomar água fresca.

Quem fez o trajeto garante: a paisagem e o astral da praia compensa todo o esforço. Para voltar pelo Pântano do Sul acesse o costão direito da praia. O caminho é mais fácil e não oferece nenhum obstáculo, mas não é tão bonito. Pescadores, surfistas e amantes da natureza gostam do local.